domingo, 24 de janeiro de 2016

LISBOA & ADJACÊNCIAS EM CINCO NOITES.

Lisboa & adjacências em cinco noites.”


Como havíamos prometido há tempos, finalmente, aqui está o nosso roteiro Lusitano de cinco noites que inclui: Lisboa, Santuário de Fátima, Cascais e Estoril. Na verdade, contaremos com cinco noites e quatro dias e meio.

Onde ficar? Comecemos com uma dica de hospedagem. Se você não faz questão de se hospedar em um hotel e, como nós, tem espírito mais “aventureiro”, ou entre outras palavras, “sem-grana”, a cidade oferece várias opções bem mais em conta. Fizemos uma reserva pelo booking.com numa pousada simples mas confortável, e o melhor: muito bem localizada, no coração de Lisboa, próxima à estação de metrô Restauradores e de diversos pontos turísticos que podiam ser percorreridos à pé. Cara, isso não tem preço! Tomávamos café da manhã caprichado numa padaria bacaninha ali mesmo pela redondeza - que nos custava aproximadamente €7,00 pro casal. Para sermos mais exatos, ficamos numa pousada próxima ao Ascensor da Glória, da Avenida da Liberdade, da Praça dos Restauradores, Estação do Rossio, Hard Rock Café, entre tantos outros lugares... Ter em mente o que há por perto é sempre muito importante na hora de escolher onde ficar.
Vamos ao roteiro, então!

1º Dia (½ dia) – Nosso primeiro dia foi, na verdade, “a metade de um dia”. Vínhamos de Londres e só chegamos na pousada depois do almoço. Deixamos o cansaço e a preguiça de lado e fomos logo passear pela capital lusitana. Este “meio dia” acabou rendendo bastante pois no verão, Lisboa só escurece depois das 21:30. À pé, descemos até a Avenida da Liberdade e fomos em direção à Praça dos Restauradores que estava ali bem perto. Há muito que se pode conhecer andando, passeando,... E por falar nisso, preparem-se! Andar por esta cidade requer disposição! A Baixa de Lisboa é formada por várias ruas estreitas, várias subidas e descidas. É um “sobe e desce” frenético e cansativo, não se pode negar...


Esses foram os locais por onde passamos naquela tarde. Tudo à pé!
  • Praça dos Restauradores
  • Praça Dom Pedro IV (Rossio)
  • Rua Augusta → Aqui você encontra de tudo: lojas, restaurantes, bancos, artistas de rua, estátuas vivas, músicos, turistas indo e vindo,... Um clima descontraído, alegre e envolvente. Na altura do número 106, temos a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau – imperdível! Dê uma paradinha para comer um delicioso bolinho (que lá eles chamam de 'pastel') de bacalhau. Como nos dizeres da parede da Casa, “Fazer pastéis de bacalhau é tão importante como ler os Lusíadas!” - Fliess adaptou a frase para: “Comer bolinhos de bacalhau é mais importante que ler os Lusíadas!” Rsrsrsrs...
    Seguindo a Rua Augusta, encontramos:
  • Elevador de Santa Justa (esquina com a Rua do Ouro)
  • Arco do Triunfo da Rua Augusta
  • Praça do Comércio
  • Margens do Rio Tejo (que se pronuncia com o som de “e” aberto, tipo “é”). Ao longe, do lado direito, é possível ver a Ponte 25 de Abril, que muito parece com a famosa Golden Gate de São Francisco na Califórnia.
Continuando o “passeio 0800”, seguimos pelo lado esquerdo de quem está de frente pro Tejo e chegamos à Rua dos Bacalhoeiros onde se encontra:
  • A Casa dos Bicos, sede da Fundação José Saramago.


Pelos arredores, temos vários bares e restaurantes. Paramos, então, para comer umas sardinhas fritas com batatas coradas. Uma delícia... De pancinha forrada, iniciamos as subidas. Haja ladeira! Nossa primeira parada foi na Catedral de Lisboa.
  • Sé de Lisboa foi construída entre o século 12 e 13. É lindíssima e vale muito a visita! Atenção: A Catedral fecha às 17:00.

  • Miradouro de Santa Luzia → Continuando a subida depois da Sé, encontramos o Miradouro de Santa Luzia e logo depois, o Portas do Sol. Ambos possuem uma vista linda da Alfama, da Igreja de Santo Estevão e do Tejo. Rendem boas fotos. Momento ideal para dar uma parada, relaxar, apreciando a bela paisagem...
  • Hard Rock Cafe Lisboa → Depois de tanto 'sobe e desce', voltamos à Avenida da Liberdade e jantamos por lá. Como sempre, boa comida, bebidas diferentes num clima rock and roll. Pra quem gosta do estilo, é uma excelente pedida!

************
2º Dia - Para o segundo dia em Lisboa, sugerimos o seguinte roteiro:
  • Castelo de São Jorge – O Castelo fica lá no alto. Se tem disposição como nós, vá à pé! É uma boa caminhada com muitas subidas mas há placas sinalizando como chegar ao local. Se preferir, pode pegar um bonde (eléctrico de número 28).
    O preço do ticket normal para ingressar ao Castelo é € 8,50. Mas há preços especiais para família, crianças, idosos e estudantes.
    É uma atração imperdível para quem visita Lisboa. A fortificação foi criada pelos mulçumanos em meados do século XI. Belíssimo lugar!

  • Passeio guiado de UMA hora pela Baixa de Lisboa no Tuk-Tuk - Esse passeio foi muito legal!!! Os tuk-tuks são elétricos e não poluem a cidade. Carregam de duas até quatro pessoas. São ideais para cruzarem aquelas ruelas apertadinhas da Baixa. Existem vários na entrada do Castelo de São Jorge e por toda a cidade. Nossa condutora era uma jovem do Porto, muito simpática e que se mostrou uma excelente guia, nos levando a vários pontos turísticos, contando suas histórias e tirando foto de nós dois juntos. Custou € 35,00. Experimente barganhar o preço do passeio. Ela nos fez um desconto.
  • Gare do Oriente – Depois do almoço, resolvemos sair da Baixa e conhecer a parte mais moderna de Lisboa. Pegamos o metrô na Linha Verde e descemos na Estação Alameda. Da Alameda, passamos para a Linha Vermelha e seguimos até a Estação Oriente (que é a última). Essa gare é lindíssima! Vá até o nível mais alto dela onde você encontra as plataformas de trem. O telhado daquela plataforma é indiscritível. Tanto que voltamos outro dia lá à noite só para fotografar sob outra luz.
    Dentro da estações, há umas tendinhas de artigos artesanais vendendo várias coisinhas. Não custa dar uma conferida. Fliess aproveitou para comprar umas pulseiras feitas de sementes cabo-verdianas. Vale barganhar! Sempre!
  • Centro Vasco da Gama (Shopping) – Ao sair da Gare do Oriente, atravessando a Av. Dom João II, você encontra esse shopping “tudi-bom”. Tem de tudo por lá! Sem contar a arquitetura moderna de tirar o chapéu! Lá, encontramos A Loja do Gato Preto, que só tem em Portugal, Espanha e França. Nesta loja fofa (palavras da Fliess), você acha artigos de decoração, utensílios domésticos, móveis, tudo uma graça! E o melhor: em julho, estava em promoção!
  • Parque das Nações – Na parte detrás do Centro Vasco da Gama, temos o Parque das Nações, local onde foi realizada a Expo'98 - que tratou da questão dos oceanos. Por falar nisso, ali perto tem o Oceanário de Lisboa. Mas não tivemos tempo de ir. E se quiser dar uma volta sob o Tejo numa cabine teleférica, há também a Telecabine Lisboa, que custa € 5,90 (ida e volta por pessoa).
  • Café A Brasileira – Retornando à Baixa de Lisboa, de metrô, a dica é passear pelo Chiado, um bairro emblemático, palco de diversos eventos e um dos centros mais movimentados da capital lusitana. É um passeio gostoso entre teatros, cafés, lojas, galerias, e outros tantos pontos turísticos. Bem próximo à Estação Baixa-Chiado (Linha Azul/Verde), temos o tradicional Café A Brasileira, que nos faz lembrar um pouco a nossa Confeitaria Colombo. A Brasileira era frequentada por personalidades artísticas importantes da cultura portuguesa do início do século XX. Ah! Não se pode deixar de tirar uma foto ao lado da estátua do querido escritor Fernando Pessoa.
  • Ruínas do Covento do Carmo / Museu Arqueológico do Carmo – Continuando o passeio pelo Chiado, chegamos ao Largo do Carmo. A sugestão agora é conhecer as ruínas do Convento do Carmo e o museu.
    Horário de funcionamento: de segunda à sábado, 10h às 18h (outubro a maio) e 10h às 19h (junho a setembro). Não abre domingos, Natal, Ano Novo e 1º de Maio.
    Entrada: € 3,00.

************
3º Dia
Prontos para o terceiro dia do nosso roteiro?
  • Santuário de Nossa Senhora de Fátima – Pela manhã, partimos para a Cova da Iria (que não é um túmulo, mas um bairro em Fátima, num terreno mais fundo – por isso leva esse nome), onde Nossa Senhora apareceu aos três pastorinhos. É um lugar sagrado para católicos, mas ainda assim, também visitado por muitos que não são católicos. Independetemente da prática religiosa, o lugar é muito bonito, bem organizado, sossegado e transmite uma paz indescritível. Vale a pena.
    Como chegar? Não é difícil! Pegue o metrô, Linha Azul e vá até a estação Jardim Zoológico. Lá, você encontrará um terminal de ônibus (em português de Portugal, autocarros), chamado Sete Rios. Compre sua passagem para Fátima, que custa uns € 12,00 (ida). A viagem dura aproximadamente uma hora e meia. Ao chegar no Terminal de Fátima, lembre de garantir logo a sua passagem de volta para Lisboa. Voltamos mais pro final da tarde. Do terminal, caminhe sempre em frente, à sua direita até chegar ao Santuário. Leva uns cinco minutos só, é bem pertinho.
    Se você curte imagens sacras, aproveite para comprar uma de Nossa Senhora de Fátima. Dentro do Santuário, há uma lojinha que vende imagens e uma outra que vende livros, santinhos, e demais artigos religiosos.
  • Os Tibetanos – Ao voltar para Lisboa, resolvemos comer num lugar diferente. Que tal um jantar saboroso e leve num lugar lindamente decorado? O restaurante vegetariano 'Os Tibetanos' é uma boa pedida! Boa comida, bom atendimento e com preço justo.
    Fica à Rua do Salitre, 117. A Rua do Salitre faz esquina com a Av. da Liberdade, onde temos a Embaixada da Espanha como referência. É bem próximo à Estação Liberdade (metrô – Linha Azul). Não tem erro!!! Não deixem de experimentar o delicioso gelado (sorvete) de pétalas de rosas com iogurte natural, de sobremesa. Mais informações: http://tibetanos.com

*************
4º Dia
Que tal irmos à Belém? Não é a do Pará e nem onde o Menino Jesus nasceu! Rsrsrs... Mas sim onde encontramos os famosos-deliciosos-imperdíveis pastéis de nata, também conhecidos como Pastéis de Belém.
Levamos meia hora para chegar à Belém. Da Praça do Comércio, pegamos o eléctrico (que neste caso mais parecia um VLT) 15E (em direção à Algés). Descemos em Belém, bem na frente do Mosteiro de Jerónimos.
  • Mosteiro dos Jerónimos – Imperdível! Belíssima construção, patrimônio da humanidade, datada do início do século XVI. Entrada: € 10,00.
  • Igreja Santa Maria de Belém – Pertence ao Mosteiro. A entrada (somente da Igreja) é franca. Linda arquitetura. Lá, se encontram os túmulos de Vasco da Gama e Luís de Camões.
  • Pastel de Belém – Ainda na rua Belém, seguindo para a direita (de quem está de frente pro Mosteiro), você encontrará a Casa do Pastel de Belém. De fachada simples e de cor azul, parace pequena. Ao entrar, você se depara com um labirinto de grandes salões repletos de mesas e cadeiras. Pode acreditar: São os melhores pastéis de nata do MUNDO


Siga, então, para os demais pontos turísticos de Belém:
  • Padrão do Descobrimento
  • Torre de Belém

Passeio noturno para terminar o dia:
  • Ascensor da Glória – A Pousada onde estávamos hospedados ficava bem próxima à Ladeira da Glória e seu ascensor (bonde/elevador). Para se chegar ao topo da ladeira, não levamos mais que cinco minutos. O ticket custa € 3,60 - o que consideramos uma fortuna para um trajeto de apenas 265 metros!!! Por outro lado, subir à pé aquela ladeira íngreme e escorregadia é cruel. Lá no alto, temos o Miradouro e o Jardim São Pedro de Alcântara. Mais uma bela vista...
  • Bairro Alto – Estamos agora bem pertinho de vários bares, Casas de Fado, restaurantes,... Falo do Bairro Alto, cuja atmosfera movimentada e boêmia, nos remete à Lapa no Rio de Janeiro. Aproveite!

**************
5º Dia - Partiu praia: Cascais e Estoril.
    Como era julho, estávamos em pleno verão europeu. O nosso último dia foi dedicado à praia, já que fazia um dia de sol e calor. Pegamos o trem para Cascais na Estação de Comboios (Trens) Cais de Sodré. A viagem foi tranquila, os trens não eram cheios e tinham ar condicionado. Durou cerca de quarenta minutos e aproveitamos a bela paisagem. Cascais é um lugar muito bonito e caminhar por suas ruas é uma delícia.
    Na volta, fizemos um pit stop em Estoril (a duas paradas de Cascais). Para a nossa sorte, estava rolando o Metro Street Fest: um super descontraído festival de comida de rua, que conta com a participação de mais de 50 food trucks estacionados no jardim do Cassino Estoril, com as mais diveras e saborosas experiências gastronômicas de origem portuguesa e internacional. Tudo isso ao som de um DJ porreta, que para a nossa sorte, compartilhava do mesmo gosto musical que o nosso!
    Só para constar: se vocês encontrarem por lá um trailer / food truck de hot dogs chamado "Cachorro Vadio", pare e peça um! É o segundo melhor cachorro quente desta vida! Só perde mesmo para o hot dog do British Museum (já mencionado na nossa postagem de Londres). 


Considerações finais → Coisas “não-tão-legais” mas que precisam ser ditas:
    * Cuidado com os batedores de carteiras em Lisboa. Atenção com seus pertences nos transportes públicos. Fomos alertados pelos próprios Lisboetas, sem contar os avisos nas estações de metrô e comboios.

    * Atualmente, Lisboa está repleta de pedintes, vendedores ambulantes, “senegalezes com parentes em São Paulo” tentando te empurrar pulseiras e outros artesanatos com uma abordagem chata e bem insistente, mulheres vendendo lenços, jovens vendendo livros de piadas, velhinhos cobrando por informação e até “vendedores” de drogas por toda Rua Augusta e adjacências. Não são violentos. Basta acenar com a cabeça caso não queira.

    * Atenção com os táxis do aeroporto! Quando pegamos um táxi do aeroporto para a pousada, fomos “garfados” pelo taxista que nos cobrou mais que o DOBRO de uma corrida normal. A nossa dica é: Em Portugal ou em qualquer outro lugar que você esteja, faça uso da tecnologia e tenha um aplicativo que te informe o valor da corrida. Depois dessa experiência lastimável, passamos a utilizar o app TAXÍMETRO. Ah! Lembre de perguntar ao taxista o valor aproximado até o seu destino antes de entrar no carro.

    * Peça imformação aos portugueses mais jovens. Os mais velhos nos pareceram mais impacientes e com pouca boa vontade.

    * Nem sempre vale comprar o “um ticket para um dia inteiro” para viajar de metrô, já que muita coisa pode ser feita à pé ou usando uma passagem ida e volta. Tente avaliar o que lhe será mais conveniente.

    * O sol é de rachar no verão, então, não esqueça do filtro solar, chapéu, óculos de sol e beba bastante água. No entanto, por mais que esteja quente durante o dia, a noite esfria. Tenha sempre um casaquinho em mãos.

    Importante lembrar que as dicas acima foram baseadas em algumas das nossas experiências em Lisboa em julho de 2015. As coisas podem mudar de acordo com a época, o local e com a percepção de cada pessoa. Em nenhum momento, tivemos a intenção de desmerecer a cidade nem as pessoas de lá.

    Se você tem tempo e dinheiro e está afim de conhecer outras cidades em Portugal, aproveite! Vamos deixar aqui dois links do blog de uma outra Fliess (Sandra) com dicas para Porto e Coimbra:
  • Dois dias no Porto:
    https://fogecomigoagora.wordpress.com/2015/02/09/roteiro-de-dois-dias-no-porto/
  • Dois dias em Coimbra:
    https://fogecomigoagora.wordpress.com/2015/06/21/roteiro-de-2-dias-em-coimbra/
*Curiosidade...
Zucas e Tugas falam a mesma língua?
Atenção para as diferenças de vocabulário!

E assim se diz...
No Brasil
Em Portugal
Aterrizagem
Aterragem
Banheiro
Casa de banho
Bolinho de bacalhau
Pastel de bacalhau
Bonde
Eléctrico
Bunda
Cu
Café da manhã
Pequeno almoço
Cafezinho
Bica
Calcinha
Cueca
Camiseta
Camisola
Canudo
Palha
Celular
Telemóvel
Decolagem
Descolagem
Ônibus
Autocarro
Pagamento com cartão
Pagamento multibancos
Parada de ônibus
Paragem
Praça de alimentação
Praça de Restauração
Sorvete
Gelado
Suco
Sumo
Trem
Comboio
Vitrine
Montra


Bem, é isso!
Vamos rezar agora para essa crise passar e a gente voltar a viajar para postar mais dicas para vocês.